domingo, 20 de abril de 2008

No sense

Hoje me disseram que eu estou muito melodrámatica. Tipo, estou mesmo! Sério, é horrível quando te falam algo que você não quer ouvir e tipo, você nem tem o que falar. Foda! Mas enfim, coisas da vida. Então decidi falar de algo muito engraçado que se passou agora no feriado. Que aliás, foi super bacana. Diferente. A coisa bizarra que se sucedeu (como se fosse novidade se tratando da minha vida) foi no sábado, no Vila, até aí beleza. Fomos com uns amigos de umas amigas minhas. Estou eu lá, calma e tranquila feito água de poço, quando de repente não mais que de repente um dos amigos pega e me dá um selinho e manda: "Roubei". Cara de espanto da galera ao redor, inclusive a minha. Pensei "beleza, né? Deixa o moço, é até bonitinho, Kenia larga de ser cricri". Continuei abismada, porém calma. Retomamos o assunto na roda depois do roubo, quando de repente não mais que de repente denovo ele me dá OUTRO selinho e solta novamente a palavra "Roubei". Putz. Que merda, só eu no mundo devo 'pegar' um cara que faz essas coisas, nesse momento não consegui evitar pensamentos do tipo "Era pra rir? Será que ele achou legal essa brincadeira? Mas, menos mal, antes um selinho do que meu celular. Cada um rouba o que achar que deve roubar..." Bom, já que o lance era ser sem noção e sem nexo
continuei tranquila e chata, posto que não estava bebendo (estou perseverando na promessa de um mês sem ingerir álcool), imaginei que eu não estivesse gostando devido ao fato de estar sóbria no meio de alcolizados e decidi que ia investir no 'ladrão', tava ali sem fazer nada mesmo. Perseverei na tentativa que o moço me desse um beijo decente e parasse de tentar 'roubar' alguma coisa. Logrei êxito. Beijo bom e tal até que a piada sem noção do roubei valeu a pena. Ledo engano, caros. Não é que ele começou a agir bizarramente. É sério, além de me ignorar algumas vezes ele se comportava de forma esquisita. Não contente em me 'roubar' selinhos, ele começou a irritar todos em um raio de 20 metros. Sérião, estava até me divertindo, posto que não era mais eu o alvo de suas 'brincadeiras'. E ele não desistia de irritar a galera, todos amigos dele, mas que aposto que já estavam com o saco arrastando no chão. E eu pensando "puta merda, eu me supero demais, mas vamos dar um desconto que o moçoilo está alcolizado..." Velho, não tinha como dar desconto! A coisa era muito estranha mesmo. Ele realmente tava se tornando um palhacinho bêbado: me cutucava, debochou de umas meninas que estavam com a nossa turma de amigos mas que nem eram íntimas, atrapalhava geral quando queriam passar. Enfim... Teve uma hora que ele ficou de COSTAS pra mim. Exatamente, ele me ROUBA dois selinhos, me beija, fica todo de gracinha e depois fica de costas pra mim. Oi? Beleza, né? Estava generosa e não seria ele que me tiraria da paz que havia se instalado em mim naquele dia. Daí do nada ele me puxa e resolve ficar de casal! Gente, me assustou. Já peguei tudo quanto é tipo de gente, mas confesso que como ele foi novidade e eu realmente estava me divertindo com a situação. Mas o melhor de tudo estava por vir... Ele abraçado comigo, eis que passa um moço atrás e meio que me empurrou em cima dele, ele não mais que de pressa virou e falou: "Nossa, parece que é minha namorada me agarrando assim" Oi? Putaqpariu! Não basta me encher, me atrapalhar, constranger todos ainda vem falar que eu tô querendo ser namorada dele. Gente, o mundo é muito estranho! Resolvi relevar e sai de perto. Daí vem ele, todo querendo graça. Falei pra ele que não era namorada dele então não deveria beijar a boca dele. E ele fala "eu não quero beijar, quero só encostar"! !!!!!!!!! Tá, né? Que porra é essa? Gente louca, cara. Como ele pode achar que uma brincadeira dessas seria engraçada?? Continuei normal, não sei que que me deu aquele dia eu estava muito benevolente. E daí que seguiram uma sucessão de atitudes bizarras e engraçadas, eu havia até desistido de dar uns beijos nele, que como disse anteriormente era bom e tal, e resolvi só assistir o espetáculo. Sem contar que ele me perguntava várias vezes se eu estava brava. Claro, claro que não estava brava. Eu estava horrorizada. Chocada. Abismada. Mas brava não.
Pra coroar noite tão agradável, ele queria que eu fosse embora com ele! Até valeria a pena. Juro que valeria. Se ele não estivesse tão bêbado. Tão inconveniente e se não tivesse me proporcionado momentos inéditos. Ele se comportava tão bizarramente que até superava a palhaçada. Era tão esquisito, fazia coisas tão inusitadas, grosserias tão inesperadas que resolvi dividir essa experiência com todos.



Jesus, Maria, José ... acho que eu tenho um imã pra situações assim.

ninguém merece. ninguém merece!

Um comentário:

Nathalia disse...

hahahaha mano, eu tava la... mas ja li 2 vezes e me mijei de rir nas 2.