sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

"A felicidade só é real quando compartilhada"


Vocês já assistiram o filme "Na natureza selvagem" ? Se não, deveriam assistir.

A minha teoria de que alimentar muita expectativa é o caminho mais curto para a frutração. Dentro do mesmo tema – é possível ser feliz sozinho? Admiro quem trata o isolamento do ser humano com muito mais poesia e beleza do que os outros.

Ainda assim, essa frase me marcou "A felicidade só é real quando compartilhada. Pense nos melhores momentos da sua vida: você estava sozinho ou acompanhado?

Pode não ser comum, mas há pessoas que simplesmente não têm vocação para constituir família, e nem por isso merecem a cadeira elétrica. Eles simplesmente preferem estar em movimento, não ter amarras, e essa liberdade cobra um preço que, se costuma ser alto para a maioria, para outros pode ser uma dívida fácil de quitar.

Eu bem que gosto de ficar sozinha. Já tive ótimos momentos comigo mesma dentro de um ônibus, em frente ao mar, lendo um livro. Mas reconheço que os momentos sublimes, aqueles eleitos como inesquecíveis, aconteceram quando eu estava acompanhada. Reconhecer isso não faz eu desprezar a solidão, mas me impede de adotá-la como estilo de vida permanente.

Sozinha eu posso ser mais livre, mas não sou desafiada. Compartilhar a vida com alguém exige participação: a gente é "obrigado" a se manifestar, a traduzir em gestos e palavras o que estamos sentindo, e isso engrandece o momento, cria vínculo, firma o que está sendo vivido, confere magia ao instante, credibiliza aquilo que está nos deixando emocionado.

Não precisa ser um momento repartido apenas com um grande amor: pode ser também com os pais, com um irmão, um amigo, até mesmo com desconhecidos. Quando se olha nos olhos dos outros e se compreende o que se está passando, a sintonia se dá, mesmo silenciosa. Existe uma secreta comunicação de olhar entre pessoas dão sentido ao que não há sentido algum.

Pode acontecer entre dois, e também pode acontecer entre muitos. Tipo um estádio de futebol lotado, com a galera gritando pelo mesmo time. Um show bom, todos cantando a mesma letra. Imagine se o show fosse exclusivo pra você: que graça teria?

Estando sozinhos, a sensação interna sobre o que está sendo vivido é quase melancólica, mesmo que não seja, que nos diga o Super Tramp...

Juntos, até o que não parece alegre, fica.

Um comentário:

May disse...

Parabéns pelo seu blog!Suas ideias são brilhantes!=D